terça-feira, 22 de novembro de 2011

ESCOLA DO CRIME

Hoje depois do almoço fui fazer minha siesta. Acordei com nossa funcionária aos gritos.
Diziam que haviam sequestrado a filha dela.
Saquei na hora que era o "famoso" trote vindo das penitenciárias e peguei o telefone das mãos dela.
Perguntei ao homem o nome da filha dela. Ele me disse Mariana.
Errou!
Ele: Posso matar então?
Eu: pode!
Ele desligou na minha cara.
Nossa funcionária estava em choque.
Depois de 30 minutos achamos a menina na escola.
Fiquei pensando se fosse com uma pessoa que tivesse problemas de coração matava!
Os governantes sabem que isso acontece. Até nosso querido ex vice presidente foi vitima de um trote assim.
Mais tarde o Jornal Nacional  mostrou em que nível chegou nosso sistema (caótico) prisional.
Pessoas são tratadas como animais. Reeducação não há.
O que vi foi um ambiente ideal para revolta , uma escola do crime. 
Me pergunto, até quando?

4 comentários:

Blog do Óbvio - Manoel disse...

Lucia Luz, amiga querida. Infelizmente com a mentalidade de vingança em que vivemos, a reeducação passou para um plano bem inferior. Claro que não são todos os presídios nesse caos que a imprensa tem mostrado. Aquí em Taubaté temos 6 ou 7 presídios de segurança máxima. Em um deles fui dar assistência técnica aos computadores. Notei que os presidiarios são bem vigiados e que o tratamento é muito bom. Os presidiários trabalham, tem aulas e até se especializam em alguma tarefa profissonalizante.
É pena que não façam isso na totalidade do sistema.
Quanto a esse tipo de trote, recebe-se normalmente e é quase que impossível evitar o uso de telefones celulares nesses locais.
O bom funcionamento, na minha opinião, depende muito da pessoa responsável pela unidade prisional.
Beijo com queijo.
Manoel.

Lucia Luz disse...

Manoel, querido amigo.
Sabe, preso não dá voto (ainda bem!), sendo assim não há vontade política.
Presídios assim como você descreve são uma excessão.
Penso que hoje em dia há tecnologia disponível para impedir o uso e a entrada de celulares nos presídios, só não há vontade política de resolver a questão.
Mas a maioria desses políticos e responsáveis pelas unidades prisionais são corruptos...
Tema complicado que fui arrumar não é mesmo querido?
Não sabia que existiam tantos presídios ai.
Obrigada pela sua carinhosa resposta.
Beijo com queijo

Lucia

MARILENE disse...

Minha irmã já passou por três situações da espécie. Agora, combinou um código com os filhos, de forma que possa identificar atitudes suspeitas. Mas ela diz que, no momento da ligação, o desespero toma conta, mesmo que conheça esse tipo de crime.

Nos presídios, ainda impera a corrupção. Daí a facilidade que têm os detentos para comandar crimes aqui fora.

Bjs.

Lucia Luz disse...

Marilene

Você disse tuuudo.
Beijinho carinhoso

Lucia