terça-feira, 9 de junho de 2009

ERA UMA VEZ ...


Era uma vez uma menina bem sapeca que adorava ouvir histórias.
E ela as ouvia todas as noites. Ou eram contadas por seu pai ou pela sua mãe.
Com aquelas histórias ela literalmente viajava e se encantava como se encantou o califa com as histórias contadas por Sherazade.
Viajava por mundos encantadores, mundos mágicos, mundos românticos.
A sua fantasia permitia que a vovó comida pelo lobo saísse de lá viva, permitia que o pé de feijão do João subisse até o céu, permitia que a bela adormecida dormisse cem anos, que os bichinhos falassem com a Branca de Neve e assim permitia tudo .
E aprendia com um combinado de fantasia e sabedoria.
Aprendia com personagens éticos e com os sem a menor ética sobre normas e valores. Personagens infantis, personagens maduros, humanos e não humanos.
Aprendia a gostar dos livros e das histórias que neles havia.
E ainda hoje busca finais felizes para tudo que faz.

6 comentários:

Pitanga Doce disse...

Luz, buscar a gente até que busca o "causo" é que nem sempre esses finais são felizes, ô frô!

bonjour!

Lisa Nunes disse...

Luz
eu cresci ouvindo essas histórias, minha mãe contava na hora de dormir e as vezes, colocava disquinhos em vivil para nós, quando eu e meu irmão éramos criança. Era tão bom imaginar como tudo acontecia nas histórias, hoje temos a internet que facilita muita coisa, mas tambem não te permite viajar na própria imaginação, o que também é importante quando se é criança.
Só uma coisa nunca entendi: como pode o FINAL ser FELIZ? isso não pode estar certo, se é o fim, como pode ser FELIZ?
+besos

Luciana disse...

As histórias infantis, em especial os contos de fadas, trazem pra vida das crianças (e pros adultos também) grandes lições, novos aprendizados, trabalha o senso crítico e também o bom senso. São praticamente essenciais para uma boa formação infantil. Mas o bom é quando isso ultrapassa as barreiras da idade e passa a fazer parte da vida de pessoas de todas as idades. Podemos aplicar vários ensinamentos dos contos de fadas na nossa vida, tudo com bastante proveito!

Beijos, Luz, e um bom feriado pra você!

Luz disse...

Pitanguinha
Verdade. Mas que eu tento tento!
Good night

Luz disse...

Lisa

Eu me lembro dos disquinhos coloridos! Meu pai inventava histórias. Eu adorava!
Sabe como pode? Da mesma maneira que pode a vovó sair viva da barriga....o pé de feijão alcançar o ceu...rsrsrsr
Beijinhos

Luz disse...

Luciana

Elas são muito importantes mesmo para nossa formação.
E é gostoso depois experimentar e ser a contadora de histórias.