terça-feira, 20 de janeiro de 2009

CÂNTICO DA TERRA - CORA CORALINA

Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.

Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranqüila ao teu esforço.

Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.

Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.

A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.

E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranqüilo dormirás.

Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.


Foto: Google

2 comentários:

mar e ilha disse...

Adoro Cora Coralina. Sempre quando vou dizer para alguém que nunca é tarde para começar lembro de Cora Coralina que tornou-se poeta bem mais velha. . Na verdade ela já era poeta, mas publicou seu livro já com uma certa idade.
Oha, não consegui mandar uma mensagem para vc. Não aceitou, sei lá por que motivo. Mas adorei a sua visita no meu blog e apareça sempre.

Luz disse...

Cora Coralina é das minhas preferidas. Alma simples.
Engraçado , já me disseram que não haviam conseguido. Estranho.
Pode ter certeza que aparecerei mais e mais vezes. Beijocas