quarta-feira, 30 de novembro de 2011

FUROSHIKI



Natal está chegando e um embrulho bacana valoriza e muito o presente.

 Uma idéia bacana é o Furoshiki.

Furoshiki são quadrados de pano que eram tradicionalmente usados no Japão para carregar coisas. Há centenas de formas de embrulhar e amarrar uma furoshiki ( vide imagens abaixo), que também pode aparecer em padrões e tamanhos variados. Pode ser na forma de bolsa, sacos, dentre outros.

Além de lindo e criativo tem algumas vantagens:

v  É sustentável;

v  Tem charme e estilo;

v  O embrulho pode ser reutilizado por quem recebe. Pode ser usado como lenço ou para decorar a casa por exemplo;



A Fabiana do Blog Reciclar e Decorar fez uma postagem  linda  com muitas opções de  embalagens para presente. Veja aqui

terça-feira, 29 de novembro de 2011

ACUMULAR



É impressionante nossa capacidade de acumular coisas.
Acho sempre que posso vir a precisar um dia.
Nesses dias de faxina percebi que é preciso desocupar espaços para o novo chegar.

TREM AZUL NA FAXINA

Nesses dias de faxina, o trecho de Trem Azul de Lô Borges cai como uma luva.
 
"Coisas que a gente se esquece de dizer
Frases
que o vento vem as vezes me lembrar
Coisas que ficaram muito tempo por dizer
Na canção do vento não se cansam de voar"

Trem Azul com Elis Regina.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

BAU DAS MEMÓRIAS


Quando mudei para Vitória tive que trabalhar o desapego e muitas coisas minhas estavam guardadas desde então.

Há alguns dias venho abrindo as caixas e fazendo uma limpeza nos papeis, nos bilhetes, nos objetos, nas fotos e etc.

Tenho vivido e revivido emoções e lembranças. Umas boas, umas difíceis. Todas mexendo muito comigo.

Às vezes me pego como uma criança que não via seu brinquedo predileto há muito tempo. Excitada e feliz.

Algumas coisas que já estavam no fundo do meu baú de memórias afetivas vieram à tona. Essa limpeza é também emocional.

E aos poucos vou iniciando um novo período. E desta vez vou mais leve.

O PODER DA DOÇURA




O viajante caminhava pela estrada, quando observou o pequeno rio que começava tímido por entre as pedras. Foi seguindo-o por muito tempo. Aos poucos, ele foi tomando volume e se tornando um rio maior. O viajante continuou a segui-lo.



Bem mais adiante, o que era um pequeno rio se dividiu em dezenas de cachoeiras, num espetáculo de águas cantantes.



A música das águas atraiu mais o viajante, que se aproximou e foi descendo pelas pedras, ao lado de uma das cachoeiras. Descobriu, finalmente, uma gruta.



A natureza criara com paciência caprichosa, formas na gruta. Ele a foi adentrando, admirando sempre mais as pedras gastas pelo tempo.



De repente, descobriu uma placa. Alguém estivera ali antes dele. Com a lanterna, iluminou os versos que nela estavam escritos. Eram versos do grande escritor Tagore, prêmio Nobel de literatura de 1913:


"Não foi o martelo que deixou perfeitas estas pedras, mas a água, com sua doçura, sua dança, e sua canção.


Onde a dureza só faz destruir, a suavidade consegue esculpir."


domingo, 27 de novembro de 2011

BOA SEMANA


Papai Noel e sua rena já estão se preparando para  chegada em nossas casas.
Uma excelente e produtiva semana para todos.

sábado, 26 de novembro de 2011

FEIRA DE JARDIM DA PENHA EM VITÓRIA

Amo feiras, mercados.
E comentei com a Lara do Blog Confraria dos Nobres Temperos que havia uma feira livre de rua excelente aqui no meu bairro todos os sábados.
Então prometi que postava aqui a Feira do Jardim da Penha. Famosa e muito bem frequentada.
Muita gente toma café da manhã aqui ou melhor come o pastel da feira com um bom caldo de cana.
Hoje fui lá e aproveitei para tirar fotos e aqui com alegria cumpro o prometido.

Meninos carregam as compras nesses carrinhos de mão.
Uma visão da extensão da feira.
O tempo estava bem fechado e a luz não ajudou muito...


Várias barracas com hortaliças orgânicas e onde se acha muita variedade

O vendedor de pano de chão e pano de prato me pediu que tirasse fotos do material dele também.
Biscoitos, pó de café, fubá tudo direto da roça.
Muitas barracas de legumes, tudo fresquinho


E para quem tem pressa tudo cortadinho,picadinho para facilitar a nossa vida.


Muitas frutas da estação . E aqui o carrinho de mão que é usado pelos carregadores que levam as compras.
O palmito tão usado na culinária capixaba.


Pimentas, queijos, embutidos, doces, tapiocas...

Temperos diversos, carneiro, cabrito , pernil , carnes para feijoada.

Mel de Santa Tereza, cidade serrana .


A parada do pastel e do caldo de cana. Deliciosos.

Ovos de todos os tipos


Claro na terra da moqueca não poderiam faltar os peixes,

lagostas,


lula, polvo, mexilhões, sururu, siri....



Flores , muitas e cada uma mais linda que a outra.

E tem muito mais nessa feira: frango, panelas, papa de milho,roupas, artesanato e etc que mostro outro dia.
Lara e demais amigos espero que tenham gostado.
Eu adoooooro!!!

MANIA DE EXPLICAÇÃO


Ontem lendo um post no Blog do Óbvio do amigo Manoel, me lembrei desse texto da Adriana Falcão de quem sou fã. Compartilho com vocês .

Era uma menina que gostava de inventar uma explicação para cada coisa.
Explicação é uma frase que se acha mais importante do que a palavra.
As pessoas até se irritavam, irritação é um alarme de carro que dispara bem no meio de seu peito, com aquela menina explicando o tempo todo o que a população inteira já sabia. Quando ela se dava conta, todo mundo tinha ido embora. Então ela ficava lá, explicando, sozinha.
Solidão é uma ilha com saudade de barco.
Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue.
Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo.
Autorização é quando a coisa é tão importante que só dizer "eu deixo" é pouco.
Pouco é menos da metade.
Muito é quando os dedos da mão não são suficientes.
Desespero são dez milhões de fogareiros acesos dentro de sua cabeça.
Angústia é um nó muito apertado bem no meio do sossego.
Agonia é quando o maestro de você se perde completamente.
Preocupação é uma cola que não deixa o que não aconteceu ainda sair de seu pensamento.
Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer mas acha que devia querer outra coisa.
Certeza é quando a idéia cansa de procurar e pára.
Intuição é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido.
Pressentimento é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista.
Renúncia é um não que não queria ser ele.
Sucesso é quando você faz o que sempre fez só que todo mundo percebe.
Vaidade é um espelho onisciente, onipotente e onipresente.
Vergonha é um pano preto que você quer pra se cobrir naquela hora.
Orgulho é uma guarita entre você e o da frente.
Ansiedade é quando faltam cinco minutos sempre para o que quer que seja.
Indiferença é quando os minutos não se interessam por nada especialmente.
Interesse é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento.
Sentimento é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado.
Raiva é quando o cachorro que mora em você mostra os dentes.
Tristeza é uma mão gigante que aperta seu coração.
Alegria é um bloco de Carnaval que não liga se não é fevereiro.
Felicidade é um agora que não tem pressa nenhuma.
Amizade é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros.
Decepção é quando você risca em algo ou em alguém um xis preto ou vermelho.
Desilusão é quando anoitece em você contra a vontade do dia.
Culpa é quando você cisma que podia ter feito diferente, mas, geralmente, não podia.
Perdão é quando o Natal acontece em maio, por exemplo.
Desculpa é uma frase que pretende ser um beijo.
Excitação é quando os beijos estão desatinados pra sair de sua boca depressa.
Desatino é um desataque de prudência.
Prudência é um buraco de fechadura na porta do tempo.
Lucidez é um acesso de loucura ao contrário.
Razão é quando o cuidado aproveita que a emoção está dormindo e assume o mandato.
Emoção é um tango que ainda não foi feito.
Ainda é quando a vontade está no meio do caminho.
Vontade é um desejo que cisma que você é a casa dele.
Desejo é uma boca com sede.
Paixão é quando apesar da placa ::perigo:: o desejo vai e entra.
Amor é quando a paixão não tem outro compromisso marcado. Não. Amor é um exagero...Também não. É um desaforo... Uma batelada? Um enxame, um dilúvio, um mundaréu, uma insanidade, um destempero, um despropósito, um descontrole, uma necessidade, um desapego?
Talvez porque não tivesse sentido, talvez porque não houvesse explicação, esse negócio de amor ela não sabia explicar, a menina....

Adriana Falcão

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

OBRIGADA SENHOR!

Obrigada Senhor,

Por tudo que colhi no ano que passou;
Por sua presença na minha vida;
Pelo filho que me deste;
Pela linda família que tenho;
Pela saúde,
Pela força nos momentos difícieis que passei;
Pela garra para lutar nos momentos que imaginava não ter mais forças;
Pelas alegrias, pelas conquistas;
Pela amor
Pela dor;
Pelo amor que tenho para doar e pelo amor que tenho recido;
Pelo que perdi e pelo que ganhei;
Pelo conhecimento e sabedoria adquiridos;
Por todo mal que afastaste de mim;
Pelas pessoas maravilhosas que entraram na minha vida nesse ano;
Por minhas criações;
Por ter me conhecido mais;
Por ter me mostrado os caminhos nos momentos de dúvida;
Pela turbulência e pela paz.
Pela casa aonde morar;
Por ter um lar;
Pelos amigos que manti, pelos amigos que plantei e colhi;
Por tudo que me esqueci de agradecer.
E por tudo que ainda está por vir.

OBRIGADA SENHOR!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

ÁRVORE NATAL BB = BONITA E BARATA

Fiz essa árvore no natal do ano passado no meu local de trabalho.
Usei tela de galinheiro, fitas, bolas velhas e uma flor que pintei com spray prata.
Simples , barata e fez o maior sucesso.

SEM PALAVRAS...

terça-feira, 22 de novembro de 2011

ESCOLA DO CRIME

Hoje depois do almoço fui fazer minha siesta. Acordei com nossa funcionária aos gritos.
Diziam que haviam sequestrado a filha dela.
Saquei na hora que era o "famoso" trote vindo das penitenciárias e peguei o telefone das mãos dela.
Perguntei ao homem o nome da filha dela. Ele me disse Mariana.
Errou!
Ele: Posso matar então?
Eu: pode!
Ele desligou na minha cara.
Nossa funcionária estava em choque.
Depois de 30 minutos achamos a menina na escola.
Fiquei pensando se fosse com uma pessoa que tivesse problemas de coração matava!
Os governantes sabem que isso acontece. Até nosso querido ex vice presidente foi vitima de um trote assim.
Mais tarde o Jornal Nacional  mostrou em que nível chegou nosso sistema (caótico) prisional.
Pessoas são tratadas como animais. Reeducação não há.
O que vi foi um ambiente ideal para revolta , uma escola do crime. 
Me pergunto, até quando?

SIMPLES ASSIM


“Tô me aproximando de tudo que me faz completo, me faz feliz e que me quer bem. Tô aproveitando tudo de bom que essa nossa vida tem. Tô me dedicando de verdade pra agradar um outro alguém. Tô trazendo pra perto de mim quem eu gosto e quem gosta de mim também. Ultimamente eu só tô querendo ver o ‘bom’ que todo mundo tem. Relaxa, respira, se irritar é bom pra quem? Supera, suporta, entenda: isento de problemas eu não conheço ninguém. Queira viver, viver melhor, viver sorrindo e até os cem. Tô feliz, to despreocupado, com a vida eu to de bem.”

Caio Fernando de Abreu

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

UMA PIPA NO CÉU... Pde FÁBIO DE MELO


 A vida exige leveza, assim como a viagem. A estrada fica mais bonita quando podemos olhá-la sem o peso de malas nas mãos.

 Seguir leve é desafio. Há paradas que nos motivam compras, suplementos que julgamos precisar num tempo que ainda não nos pertence, e que nem sabemos se o teremos.

 Temos a pretensão de preparar o futuro. Eu tenho. Talvez você tenha também. É bom que a gente se ocupe de coisas futuras, mas tenho receio que a ocupação seja demasiada. Temo que na honesta tentativa de me projetar, eu me esqueça de ficar no hoje da vida.
Os pesos nascem desta articulação. Coisas do passado, do presente e do futuro. Tudo num tempo só.
 Há uma cena que me ensina sobre tudo isso. Vejo o menino e sua pipa que não sobe ao céu. Eu o observo de longe. Ele faz de tudo. Mexe na estrutura, diminui o tamanho da rabiola, e nada. O pequeno recorte de papel colorido, preso na estrutura de alguns feixes de bambu retorcidos se recusa a conhecer as alturas.
 O menino se empenha. Sabe muito bem que uma pipa só tem sentido se for feita para voar. Ele acredita no que ouviu. Alguém o ensinou o que é uma pipa, e para que serve. Ele acredita no que viu. Alguém já empinou uma pipa ao seu lado. O que ele agora precisa é repetir o gesto. Ele tenta, mas a pipa está momentaneamente impossibilitada de cumprir a função que possui.
 Sem desistir do projeto, o menino continua o seu empenho. Busca soluções. Olha para os amigos que estão ao lado e pede ajuda. Aos poucos eles se juntam e realizam gestos de intervenção...
 Por fim, ele tenta mais uma vez. O milagre acontece. Obedecendo ao destino dos ventos, a pipa vai se desprendendo das mãos do menino. A linha que até então estava solta vai se esticando. O que antes estava preso ao chão, aos poucos, bem aos poucos, vai ganhando a imensidão do céu.
 O rosto do menino se desprende no mesmo momento em que a pipa inicia a sua subida. O sorriso nasceu, floresceu leve, sem querer futuro, sem querer passado. Sorriso de querer só o presente. As linhas nas mãos. A pipa no céu...
fabiodemelo.com.br - © 2003/2008 - todos os direitos reservados
 Pe. Favio de Melo

BOA SEMANA - THANKSGIVING

No próximo dia 24 se comemora nos Estados Unidos o dia de Ação de Graças - Thanksgiving Day.
Mesmo que o ano não tenha sido nada bom temos muito, muito a agradecer.
Já estou me preparando para o dia e darei graças por mais esse ano e pelas colheitas que durante ele fiz.
E você já vai parar e agradecer ?